O texto deste dia dos pais será um relato próprio, de algo que estou vivendo há pouco mais de 2 meses, quando nasceu o meu primeiro filho. Ou melhor, estou vivendo há pouco mais de 11 meses, desde o dia que soube que ia ser pai e que meu filho já estava a caminho.

É difícil eu descrever como me sinto para este meu primeiro Dia dos Pais. Afinal, nestes últimos 29 anos, sempre foi aquele dia que eu acordava, ou às vezes antes de dormir (quando era depois da meia noite) que eu corria para dar um abraço no meu pai e dar os parabéns, às vezes já entregar o presente, e depois que saí de casa, correr no Whatsapp para escrever os parabéns para ele.

A partir deste ano, isso mudou. Além de manter esta mesma dinâmica, agora eu passei a ser parabenizado e presenteado também, afinal, meu filho, mesmo ainda sem entender nada, é o maior e melhor presente que eu poderia ter ganhado nesta vida.

Vou contar um pouco deste período e das minhas expectativas. Sempre fui muito ligado (e sou até hoje) no meu pai. Um cara que sempre me inspirou, me trouxe confiança e conforto. Há muito tempo digo e penso que gostaria de ser igual para um filho meu, afinal, os pontos que admiramos e valorizamos queremos manter, e aquelas coisas que queremos fazer diferente, este é o momento, quando nós nos tornamos o pai de alguém. No ano passado, quando soubemos que minha esposa estava grávida, a minha reação foi bem interessante: fiquei duvidando, e corri na farmácia para comprar um novo teste para garantir que estivesse certo. E para a nossa alegria, sim, era verdade!

Foi uma felicidade que não coube na gente, e os sonhos começaram.

Foi todo um planejamento, comprando o que precisávamos, montando o quarto, pensando como seria para adaptar a nossa vida e organizar tudo para a chegada dele. Quando nasceu, no finalzinho de Maio, aquele sonho estava se tornando realidade, podendo ver, de perto e ao vivo, a carinha dele, o tamanho dele, os gestos, movimentos e tudo mais. De lá para cá, nossa casa se transformou, nossa rotina e programas também. O prazer é tanto de estar com ele, que programas básicos, que não perdíamos por nada, nem nos fazem pensar se devemos ir ou não, sabendo que é uma fase em que precisamos estar um pouco mais isolados e com dedicação quase que exclusiva ao nosso filho. A cada dia que chego do trabalho, tem algo novo que ele aprendeu, e minha esposa me conta e me mostra as fotos e vídeos para comprovar tal fato.

E voltando um pouquinho ao que escrevi mais acima, na grande relação que sempre tive com meu pai, me dedico cada segundo a ele, com o objetivo de construir uma relação igual e ainda maior do que aquela que tenho até hoje. Afinal, pai é pai, filho é filho, e precisamos saber viver e aproveitar cada momento destes da vida, já que a vida, como diz a música, “é trem bala parceiro, e a gente é só passageiro prestes a partir”. E ainda mais do que isso, os filhos crescem, e sabemos que este amor e carinho será compartilhado com outras pessoas que ele passará a amar, como esposa, filhos e por ai vai. Afinal, nós passamos por isso também! 😉

Neste meu primeiro dia dos pais eu espero que seja uma experiência incrível, daquelas que eu sempre quis proporcionar para o meu pai. E que, sem dúvidas, seja o primeiro de muitos!

A todos os pais, avôs, mães que têm o papel de pais, tios, etc, parabéns por este nosso dia!! Afinal, cada um sabe quem é o seu pai, seja ele biológico ou por consideração!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.