Cuidados com a pele das crianças no verão

A chegada do verão e das férias exige cuidados e atenção redobrados com a pele da garotada

Dias mais longos, lindas tardes ensolaradas, roupas mais leves e uma deliciosa sensação de prazer – esse cenário, combinado com o início das férias escolares, é perfeito para fazer a alegria das crianças em praias, piscinas, passeios e brincadeiras ao ar livre. Mas para evitar vermelhidão, bolhas e outras dores de cabeça, é preciso ficar de olho na fotoproteção dos pequenos. Quanto mais cedo esses cuidados começarem, melhor.

Apesar de ter a estrutura igual à dos adultos, com a mesma quantidade de camadas, a pele das crianças é bem mais fina e, consequentemente, muito mais sensível. Além disso, durante o primeiro ano de vida, a produção de melanina, substância que absorve a luz e protege a derme da ação da radiação, não é plena. Por isso, crianças pequenas não têm condições físicas de ficar expostas ao sol por períodos que não sejam curtíssimos. “Os raios ultravioleta (UV) e o calor encontram menor resistência na pele delas, podendo provocar brotoejas e queimaduras solares intensas”, diz o médico Yechiel Moises Chencinski.

Como os filtros solares não são recomendados até os 6 meses de idade – eis a questão -, até lá o ideal é manter o bebê na sombra, com chapéu de abas largas para proteger completamente a região delicada das orelhas e da nuca. Para completar o visual, as roupinhas devem ser pouco cavadas e com uma trama fechada, que ajuda a barrar a passagem da radiação.

O importante é saber que, ao introduzir e estimular a fotoproteção durante a infância, cria-se um hábito que vale para a vida toda. Não custa repetir que, embora sejam raros os casos de câncer de pele em crianças, os efeitos da radiação ultravioleta são cumulativos e irreversíveis. No dia a dia dos maiorzinhos, portanto, vale o bom senso: se a criança for passar boa parte do tempo em áreas descobertas, não dá para ficar sem o protetor! “No mínimo, um fator 30”, diz a dermatologista pediátrica Nadia Almeida, do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba. “Antes, teste atrás da orelha ou na dobrinha do cotovelo para detectar possíveis alergias.”

Na hora de usar o protetor solar, nada de economia. É preciso passar uma camada generosa antes mesmo de sair de casa porque ele costuma demorar cerca de 20 minutos para fazer efeito. E faça uma verificação completa, como um detetive: orelhas, nuca, peito do pé, nada deve ser esquecido. Lugares em que o sol incide mais perpendicularmente, como o nariz e os ombros, devem receber uma atenção especial. Quando chegar à praia ou à piscina, a gastança do bem continua: independentemente de a criança ter suado ou não, ter entrado na água ou não, reaplique o creme a cada duas ou três horas.

Se já escolheu o destino de suas férias de verão, só mais um lembrete: a fotoproteção é válida na cidade, na praia, no campo e até mesmo em montanhas nevadas. E não se descuide nem nos dias nublados – aquela nuvem cinza-clara não é capaz de filtrar mais do que 10% da radiação. Abra um espaço na bagagem para óculos escuros, guarda-sol, chapéus e protetor solar e só traga boas lembranças na volta.

 

Fonte: Saude Abril

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.