Meu filho põe tudo na boca. E agora? Entenda por que os bebês fazem isso e saiba como protegê-los

Meu filho põe tudo na boca. E agora?: Seu filho anda colocando tudo o que encontra pelo caminho na boca? Acalme-se, é normal. Até por volta de 1 ano e meio, a boca é um meio de a criança conhecer o mundo, identificando o gosto e a textura dos objetos. Faz parte de seu desenvolvimento “degustar” o ambiente ao seu redor. É praticamente impossível impedir esse impulso e os pais não devem se preocupar em fazer isso – o que não significa que eles devem deixar qualquer coisa ao alcance do bebê.

É natural que a mãe e o pai fiquem apreensivos com o que a criança está colocando na boca. Afinal, eles, certamente, já ouviram alguma história sobre o filho do amigo que engasgou com um carrinho ou o bebê do vizinho que engoliu uma moeda. Porém, de acordo com o pediatra José Hugo de Lins Pessoa, membro do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria, é possível prevenir os acidentes. Segundo ele, até os 5 anos não é possível confiar 100% no senso de segurança das crianças. Sendo assim, é preciso organizar a casa de forma segura e tirar do alcance objetos perigosos. Com a ajuda do pediatra, elaboramos uma lista do que precisa ficar longe do seu filho:

Objetos pequenos

A chance de engolir algo pequeno é enorme. Tampas de caneta, peças de montar, moedas ou até mesmo pequenos pedaços de giz são coisas que você não quer que vão parar no estômago do seu pequeno. Mas engolir nem é a pior parte – os objetos geralmente acabam eliminados nas fezes. O problema maior é se um desses itens cair no trato respiratório do bebê. Eles podem prejudicar a respiração e será preciso uma cirurgia para retirá-los. No caso de brinquedos, é importante escolher aqueles adequados para a faixa etária do seu filho.

Objetos pontiagudos ou com cantos afiados

Nessa lista entram chaves, lápis apontados, caixas com cantos pontudos… Podem até ser objetos grandes, que seu filho não vai engolir, mas eles podem machucar o rosto, os lábios e a gengiva do seu bebê.

Objetos tóxicos

“Eu nunca colocaria algo tóxico perto do meu filho!”, você deve estar pensando. Ah, é? Certamente você se esqueceu de considerar a bateria do seu celular, do seu tablet e a pilha do controle remoto, que parecem inofensivos. Remédios e produtos de limpeza também são um problema porque, por serem coloridos, chamam a atenção dos pequenos. Segundo a ONG Criança Segura, eles devem ficar trancados e fora do alcance das crianças. Evite colocar os produtos em garrafas de refrigerante ou em recipientes próprios para armazenar alimentos. Isso evita que as crianças se confundam. Caso você carregue medicamentos na bolsa, não esqueça de guardá-la em um compartimento seguro.

 

O que fazer se seu filho engolir algo

Se a criança acidentalmente engolir alguma coisa mas não apresentar tosse nem dificuldades respiratórias, isso provavelmente significará que o objeto foi parar no trato digestivo. Segundo Pessoa, na maior parte dos casos, ele sairá pelas fezes. Caso seja um material tóxico ou um medicamento, ligue imediatamente para o médico da criança e leve-a ao hospital.

Caso uma peça diminuta vá para nas vias respiratórias, você logo perceberá. É comum a criança ter acesso de tosse. Essa situação requer ajuda médica. Se a criança já estiver com uma dificuldade respiratória evidente, ligue para o serviço de emergência e peça para ser orientada pelo telefone – há algumas manobras que podem reverter o problema.

Se ela cortar alguma parte da boca, lave com água, espere o sangramento diminuir e avalie o dano. Se o sangramento persistir e o corte for profundo, é melhor procurar ajuda médica o quanto antes.

 

Você também pode curtir: